O projecto dos "100 dias"

01.01.'08 - Apresentação e arranque do projecto ............ SIC
12.05.'08 - Primeiras conclusões aos 80 dias ................... SIC 02.07.'08 - Transportes amigos do ambiente .................. RTP2
18.09.'08 - Conclusões finais aos 130 dias ....................... TVI 22.09.'08 - Dia Europeu da Mobilidade 22.09.2008 ........ RTP1
02.11.'08 - Caia Quem Caia e as bicicletas ....................... TVI 30.12.'08 - Fim do Projecto dos "100 dias" ...................... RCP
01.01.'09 - Fim do projecto dos "100 dias" ...................... SIC 06.01.'09 - 100 dias na Prova Oral .......................... Antena 3


1 Outra reportagem
2 Outra reportagem
3 Outra reportagem
4 Outra reportagem
5 Carmona Rodrigues


Tese de mestrado "Contribuição do modo BICI na gestão da mobilidade urbana" - Descarregar PDF »»

Dia 121 e meio - 31.08.2008

De bicicleta eléctrica .... por Sintra.
15 km pelas ruas e parques da romântica e inclinada Vila de Sintra.

Este domingo fui convidado por um empresário português para testar dois dos veículos que este comercializa em Portugal, na gama de veículos não poluentes: uma bicicleta assistida electricamente e uma scooter também totalmente eléctrica.

Para ficar a conhecer a capacidade deste tipo de veículos só há mesmo uma forma: EXPERIMENTÁ-LOS !!!

(bicicleta assistida electricamente, junto ao Palácio Nacional de Sintra)

Como funciona então uma bicicleta destas?

No eixo da roda de trás está acoplado um motor eléctrico, alimentado por uma bateria, com autonomia para 50 a 60km. Assim que começamos a pedalar, o sistema automaticamente arranca com a tracção eléctrica. Na maioria dos casos, nem precisamos de fazer esforço nas pernas, apenas o movimento necessário para girar os pedais, e deixar o motor eléctrico fazer o resto. Em plano, esta bicicleta atinge os 25km/h, só com a energia do motor. Em subidas de até 4 ou 5% (p.e. a Av. da Liberdade, no troço final), avança por volta dos 12 km/h e até 10%, conseguimos subir a 5 km/h, sem fazer esforço. Claro que se quisermos ir um pouco mais depressa, poderemos dar uma ajudinha ao motor eléctrico, pedalando com maior intensidade. A bicicleta dispõe de 6 mudanças, para facilitar a marcha.

Acessórios de origem: Luzes dianteira e traseira; luzes de stop; descanso, porta bagagens, espelhos retrovisores; cesto no guiador; 6 mudanças de punho; chave de segurança na bateria; carregador.

Peso: aprox 30 kg com bateria, que são anulados pela capacidade do motor eléctrico de 250w.
Preço: 890€, com tudo incluído.
Carregamento: aprox. 3h
Consumo: aprox. 0,40€ por cada 100 km :)

(outra perspectiva da bicicleta assistida electricamente)

Após um passeio de 15 km pelos parques de Sintra, este empresário sugeriu-me utilizar uma destas bicicletas durante umas semanas, em Lisboa, para a pôr à prova. Naturalmente aceitei o convite, pelo que em breve irei pedalar pela cidade de Lisboa, diariamente, com um novo veículo que me vai permitir melhorar em dois aspectos a minha prestação de ciclista: (i) percorrer maiores distâncias com (ii) muito menos esforço, e consequentemente menos suor :)

Outro dos veículos testados, foi esta Scooter Eléctrica. Com um motor de 1500w, esta máquina atinge os 45 km/h em plano, e numa inclinação acentuada de 10%, atinge os 15 km/h partindo do zero, ou os 25 km/h com balanço. É um veículo com matricula, pelo que vem equipado com todos os acessórios obrigatórios de segurança, incluindo a mala.

Preço: 1500€
Autonomia: 50-60km
Nº de lugares: 1

E assim se aumenta o leque de opções para se atingir uma liberdade plena de escolha, na nossa mobilidade diária, na cidade de Lisboa.

Maiores cumprimentos.

Paulo Santos

12 comentários:

Luís disse...

Olá Paulo

Tenho só uma dúvida, quando se pedala, a bateria carrega ou é preciso mesmo ligar à ficha?

Um abraço!
- Luís Marques

guerradossantos@gmail.com disse...

Olá Luís. A bateria tem mesmo de ser carregada numa tomada de electricidade. Não carrega quando se pedala, apesar da ideia ser interessante. Carrega em 3 horas, e cada carregamento dá para 50 a 60km, consumindo cerca de 20 cêntimos de electricidade.
Um grande abraço.

Sérgio Guerra disse...

Hmmm "na gama de veículos não poluentes"

Este "não poluentes" será sempre relativo, mas ok.. não sai fumo do inexistente escape!

(saí antes das centrais electricas ali ao virar da esquina :p )

Mas sim, concordo que podem ser veículos complementares á tradicional bicicleta (sendo que a scooter é horripilante, no meu ponto de vista, errr, estético).

guerradossantos@gmail.com disse...

O Sérgio tem razão. Este veículo é "não poluente" em termos de emissão directa. Indirectamente, contribui com algumas gramas de CO2 para a tmosfera terrestre, pois a electricidade que carrega a bateria, em Portugal, ainda só é 40% produzida através de energias renováveis. Contudo, poluirá largas dezenas de vezes menos que um veículo automóvel.
Cumprimentos.

Rui Sousa disse...

Olá.

Mas se a bicicleta for carregada de noite poderá ser considerada de emissão 0. Isto porque de noite a produção electrica excede o consumo...

E que tal combinares um encontro no Picoas Plaza para podermos experimentar a nova máquina?


Rui Sousa

Gil Cavalheiro disse...

Boa-Noite!
Só agora estou a enviar o meu primeiro comentário, mas já o acompanho desde que foi ao Sociedade Civil falar do seu projecto.
Dou-lhe os meus parabéns pelo seu excelente trabalho e igualmente pelo seu empenho nesta causa que nos diz respeito a todos nós.
Deixo aqui a nota de que moro em Matosinhos (Porto), e desde que foi ao programa da RTP2, Sociedade Civil, que passei a reparar mais na quantidade de bicicletas que andam na rua, na qual posso concluir que comparativamente ao ano passado o número terá aumentado talvez de dez a quinze vezes mais. O motivo desse aumento deve-se sobretudo ao aumento dos combustíveis que se fizeram sentir recentemente.
Para terminar gostaria de lhe perguntar se a empresa desse tal empresário portugês possui site na Internet.

Com os maiores cumprimentos, Gil Cavalheiro

guerradossantos@gmail.com disse...

Caro Rui Sousa, está combinado. Assim que tiver a máquina anunciarei um final de tarde no Picoas Plaza, de forma a todos poderem experimentar uma bicicleta assistida electricamente.
Caro Gil, obrigado pelo apoio a este tipo de iniciativa. Infelizmente esta empresa ainda não tem site de internet, pois chegou à pouco tempo a Portugal. De qualquer forma fique atento ao nome MVP - Mobilidade e Veículos Não Poluentes.
Cumprimentos a todos.
Paulo Santos.

Rui Salvaterra disse...

Aguardo com alguma expectativa a sua experiência com a referida bicicleta, certamente que trará melhorias no desempenho e na economia de esforço entre muitas outras. No entanto imagino que o seu peso de 30 kg, traga consigo alguma restrição na mobilidade própria de uma bicicleta convencional quando a transportamos à mão (Ex: subir uma escadaria).
Gostaria futuramente ter o retorno da sua experiência com a mesma e saber também qual a reacção das autoridades policiais, quando se fizer mover pelos passeios quando necessário, tal como já referiu. A minha dúvida, advêm pelo facto dessa bicicleta ser mais encorpada. Até hoje nunca tive qualquer repreensão nessa prática, pois quando é necessário também o faço.

Abraço e bom ensaio

Tugaonbike disse...

Paulo
Por acaso tb gostava de ter experimentado.
VB

guerradossantos@gmail.com disse...

Rui Salvaterra, sem dúvida que esta não é propriamente uma bicicleta leve, ou para subir escadas. Contudo, pelas ruas íngremes de Sintra, respondeu muito bem às variações de inclinação, apesar da penalização na velocidade, que naturalmente reduz em subida.
Tugaonbike, assim que tiver a bicicleta vou organizar encontros para que todos a possam testar.
Cumprimentos.

Nuno disse...

Caro Paulo,
Uma excelente alternativa como resposta aos trajectos com inclinações acentuadas.

Algumas das bicicletas de utilização partilhada a instalar em Lisboa deveriam ser assim (pelo menos as destinadas a zonas com maiores desníveis).

Estou a ponderar a aquisição de uma bicicleta destas, no entanto a minha principal dúvida além do peso das mesmas é a duração e custo das baterias.

Uma das melhores opções para mim ainda são as bicicletas dobráveis.

Um abraço,

Nuno Xavier

guerradossantos@gmail.com disse...

Nuno, cada bateria dá para cerca de 400 carregamentos completos, o que multiplicado pela autonomia de cada carga, faz com que esta tenha uma longevidade de 20000 km :). Uma bateria nova custa cerca de 120€. Cumprimentos.

Relatos de quem já pedala pela cidade de Lisboa .............

São cada vez mais aqueles que usam a bicicleta como meio de transporte em Lisboa ( 29 testemunhos) ....................................... ver mais »

Engenharia Civil - Vias de Comunicação e Transportes

Intermodalidade de Transportes na cidade de Lisboa
Quanto lhe custa TER e USAR o seu automóvel ?
Os "100 dias" nos media

FAQs, Links, e informações de interesse para o ciclista ..........................

O código da estrada e os velocípedes ....................................
Rede de zonas cicláveis em Lisboa .....................................
Estacionamento para bicicletas, na cidade de Lisboa .............. brevemente
Rede de lojas e oficinas de bicicletas em Lisboa ............ brevemente
Transporte de bicicletas no metropolitano de Lisboa ...............
Transporte de bicicletas nos comboios da CP .....................
Transporte de bicicletas nos comboios da Fertagus ................
Transporte de bicicletas nos barcos da Transtejo e Soflusa ............
Custos comparativos com o uso do automóvel ............................ brevemente
Revistas da especialidade ......................................................... brevemente
Associações e grupos de entusiastas ........................................ brevemente
Eventos ................................................................................... brevemente

C.V. resumido


Currículo Vitae
Paulo Manuel Guerra dos Santos, Eng.º Civil.
Contacto: guerradossantos@gmail.com

Dados Pessoais
Nascido em 1973

Experiência Profissional
1995 a 2007 – Colaborador em diversas empresas de Projecto de Estradas e Consultoria (Proplano, Triede, Tecnofisil, Consulógica), onde desenvolveu competências na área do desenho e projecto de estradas, em particular com recurso às aplicações informáticas: AutoCAD, SMIGS e CIVIL 3D.

Experiência Pedagógica
1994 a 2007 – Mais de 6000h de formação ministradas em diversas escolas, centros de formação e empresas do continente e ilhas, nas áreas de Robótica Industrial, CAD, Topografia e Projecto de Estradas Assistidos por Computador.

Estágios Profissionais e Projectos Internacionais
2007 – Participação em projecto académico europeu na área da engenharia hidráulica, na Alemanha.
2007 – Estágio na Finnish Road Administration (Instituto de Estradas Finlandês), na cidade de Turku, na Finlândia.
2006 – Participação em projecto académico europeu na área da engenharia hidráulica, na Holanda.
1993/ 94 – Estágios na área da Robótica Industrial, em empresa tecnológica do sector metalomecânico, em Portugal.

Formação Académica
2007 – A preparar a tese de mestrado sob o tema “100 dias a ciclar na cidade de Lisboa”, com início previsto para 01 de Janeiro de 2008.
2007 – Conclusão da Licenciatura bi-etápica em Engenharia Civil, Ramo de Vias de Comunicação Rodoviárias, ISEL, com média de 15 valores.
1999 – Conclusão do Bacharelato em Engenharia Civil, ISEL, com média de 14 valores.

Formação Profissional em Novas Tecnologias de Informação
1995 a 2006 – Diversas acções de formação profissional nas áreas de Robótica Industrial, CAD, SIG, Topografia, Engenharia de Estradas, Design Gráfico e Criação de páginas de Internet.
1992 a 1994 – Curso de Robótica Industrial, CENFIM, com 3000h.

Formação Pedagógica
1994 a 2003 – Diversas acções de Formação Pedagógica de Formadores e Meios Audiovisuais.

Certificações Pedagógicas
Desde 2000 – Certificado pela AutoDESK, como formador autorizado em tecnologias de desenho e projecto assistidos por computador.
Desde 1998 – Certificado pelo IEFP como Formador, com CAP.

Resumo da situação actual
Actualmente exerce actividade em regime de freelancer como Técnico Especialista e Formador nas áreas de:

- Desenho Técnico Assistido por Computador (AutoCAD), para Arquitectura, Engenharia e Construção, a 2D, 3D e 4D.
- Modelação Digital de Terrenos, para Topografia (CIVIL 3D).
- Cálculo de Vias de Comunicação Rodoviárias Assistido por Computador (CIVIL 3D).

Outras informações
Disponibilidade total. Flexibilidade de horários. Habituado a viajar pelo país e pelo estrangeiro.
Muito bom nível de inglês falado e escrito. Excelentes capacidades de comunicação.
Não fumador. Dador de sangue. Praticante de desportos de combate.