O projecto dos "100 dias"

01.01.'08 - Apresentação e arranque do projecto ............ SIC
12.05.'08 - Primeiras conclusões aos 80 dias ................... SIC 02.07.'08 - Transportes amigos do ambiente .................. RTP2
18.09.'08 - Conclusões finais aos 130 dias ....................... TVI 22.09.'08 - Dia Europeu da Mobilidade 22.09.2008 ........ RTP1
02.11.'08 - Caia Quem Caia e as bicicletas ....................... TVI 30.12.'08 - Fim do Projecto dos "100 dias" ...................... RCP
01.01.'09 - Fim do projecto dos "100 dias" ...................... SIC 06.01.'09 - 100 dias na Prova Oral .......................... Antena 3


1 Outra reportagem
2 Outra reportagem
3 Outra reportagem
4 Outra reportagem
5 Carmona Rodrigues


Tese de mestrado "Contribuição do modo BICI na gestão da mobilidade urbana" - Descarregar PDF »»

Dia 160 - 29.10.2008

De Santos à Rua de Artilharia 1
Da cota 05m à cota 110m, 3.5 + 3.5 km

Tenho estado praticamente enclausurado em casa, desde a passada sexta-feira, a textualizar aquilo que já tinha na cabeça à muito: a informação relevante para a minha tese de mestrado "Contribuição do modo bici na gestão da mobilidade urbana", com o trabalho de campo que vocês já conhecem "100 dias de bicicleta em Lisboa" há muito cumprido.

Mas hoje tive de ir dar aulas à Escola Profissional de Ciências Geográficas. Pelas 10:30h saída de casa, e com a bicicleta eléctrica (aquela que gasta 1€ de electricidade por cada 250km percorridos) chego rapidamente e sem esforço a um dos pontos mais altos da cidade, junto às Amoreiras, com uma média de cerca de 14 km/h, apesar da inclinação média de 3% que separa a minha casa da escola. Como inclinação máxima tenho cerca de 7% num troço de 300m na Rua de São Bento, mas que com a eléctrica é vencido a 11 km/h.

(A eléctrica estacionada na EPCG)

Sem grandes estórias, mais um dia a trabalhar pela cidade de Lisboa, utilizando a bicicleta como meio de transporte.

Paulo Santos
362 km de bicicleta eléctrica em Lisboa, desde 19.09.2008

4 comentários:

delta disse...

Boas Paulo,
Já vai em 1638 kns com a eléctrica?
Pelo que tenho reparado, vai dando uso às duas bicicletas.
Se tivesse adquirido a eléctrica em primeiro lugar, acha que comprava a convencional?
Hoje saiu um artigo de quase página inteira, sobre o seu trabalho/aventura, no Global. Tem conhecimento disso?
Creio que é desta que a bicicleta vai para a frente.
Aparece nos jornais, revistas, filmes, nas ruas ...e há dias verifiquei que no Colombo, havia 3 montras, muito próximas umas das outras, em que a bicicleta fazia parte da decoração, isto é, penso que pretendia chamar a atenção dos clientes através da bicicleta...
A par disto tudo, também a Câmara de Lisboa, começa a fazer acreditar que algo vai mudar!
Bom trabalho.
Abraço

guerradossantos@gmail.com disse...

Enganei-me nos números :) Já corrigi entretanto. De qualquer forma, confesso que se tivesse testado a eléctrica primeiro, provavelmente os números seriam ao contrário: 1600 km de eléctrica e 360 de convencional. Faz todo o sentido uma bicicleta assistida electricamente, na cidade de Lisboa, para quem realmente precise de subir colinas ou ao Planalto Central com frequência ... como eu :) Contudo, a convencional tem um fascínio e atracção bastante diferentes, para além de uma facilidade de condução superior.

Paulo Santos

Francisco Alem-Tejo disse...

Não esquecer uma das desvantagens da eléctrica: o peso. O meu atravessamento diário do túnel para peões por debaixo de Alcantara,em que tenho de descer e subir escadas com a bike, seria mais complicado com uma eléctrica. Também para subir alguns desníveis e passeios uma convencional será mais prática...

Francisco

Luís disse...

Tenho ideia que as pessoas aderiam mais à compra de uma scooter do que de uma bicicleta eléctrica... A meu ver, as bicicletas assistidas a "bifes" são mesmo para os mais "aventureiros" e / ou que não pretendem gastar muito dinheiro. E as scooters provavelmente destinar-se-iam a quem ou é mais sedentário, ou que no dia a dia tem de vencer distâncias ou declives maiores. A bicicleta eléctrica fica num meio-termo um bocado inglório, dado que é pouco mais barata que uma scooter...

Sinceramente, e para libertar Lisboa de carros, acho que era realmente desejável que as pessoas aderissem às duas rodas, assistidas ou não :) Neste momento tenho a sorte de viver e trabalhar dentro da grande Lisboa, mas tenho plena noção que um dia que vá trabalhar para outro sítio, se não puder transportar a bicicleta no transporte público, que compro uma mota maneirinha e que gaste pouco :)

Relatos de quem já pedala pela cidade de Lisboa .............

São cada vez mais aqueles que usam a bicicleta como meio de transporte em Lisboa ( 29 testemunhos) ....................................... ver mais »

Engenharia Civil - Vias de Comunicação e Transportes

Intermodalidade de Transportes na cidade de Lisboa
Quanto lhe custa TER e USAR o seu automóvel ?
Os "100 dias" nos media

FAQs, Links, e informações de interesse para o ciclista ..........................

O código da estrada e os velocípedes ....................................
Rede de zonas cicláveis em Lisboa .....................................
Estacionamento para bicicletas, na cidade de Lisboa .............. brevemente
Rede de lojas e oficinas de bicicletas em Lisboa ............ brevemente
Transporte de bicicletas no metropolitano de Lisboa ...............
Transporte de bicicletas nos comboios da CP .....................
Transporte de bicicletas nos comboios da Fertagus ................
Transporte de bicicletas nos barcos da Transtejo e Soflusa ............
Custos comparativos com o uso do automóvel ............................ brevemente
Revistas da especialidade ......................................................... brevemente
Associações e grupos de entusiastas ........................................ brevemente
Eventos ................................................................................... brevemente

C.V. resumido


Currículo Vitae
Paulo Manuel Guerra dos Santos, Eng.º Civil.
Contacto: guerradossantos@gmail.com

Dados Pessoais
Nascido em 1973

Experiência Profissional
1995 a 2007 – Colaborador em diversas empresas de Projecto de Estradas e Consultoria (Proplano, Triede, Tecnofisil, Consulógica), onde desenvolveu competências na área do desenho e projecto de estradas, em particular com recurso às aplicações informáticas: AutoCAD, SMIGS e CIVIL 3D.

Experiência Pedagógica
1994 a 2007 – Mais de 6000h de formação ministradas em diversas escolas, centros de formação e empresas do continente e ilhas, nas áreas de Robótica Industrial, CAD, Topografia e Projecto de Estradas Assistidos por Computador.

Estágios Profissionais e Projectos Internacionais
2007 – Participação em projecto académico europeu na área da engenharia hidráulica, na Alemanha.
2007 – Estágio na Finnish Road Administration (Instituto de Estradas Finlandês), na cidade de Turku, na Finlândia.
2006 – Participação em projecto académico europeu na área da engenharia hidráulica, na Holanda.
1993/ 94 – Estágios na área da Robótica Industrial, em empresa tecnológica do sector metalomecânico, em Portugal.

Formação Académica
2007 – A preparar a tese de mestrado sob o tema “100 dias a ciclar na cidade de Lisboa”, com início previsto para 01 de Janeiro de 2008.
2007 – Conclusão da Licenciatura bi-etápica em Engenharia Civil, Ramo de Vias de Comunicação Rodoviárias, ISEL, com média de 15 valores.
1999 – Conclusão do Bacharelato em Engenharia Civil, ISEL, com média de 14 valores.

Formação Profissional em Novas Tecnologias de Informação
1995 a 2006 – Diversas acções de formação profissional nas áreas de Robótica Industrial, CAD, SIG, Topografia, Engenharia de Estradas, Design Gráfico e Criação de páginas de Internet.
1992 a 1994 – Curso de Robótica Industrial, CENFIM, com 3000h.

Formação Pedagógica
1994 a 2003 – Diversas acções de Formação Pedagógica de Formadores e Meios Audiovisuais.

Certificações Pedagógicas
Desde 2000 – Certificado pela AutoDESK, como formador autorizado em tecnologias de desenho e projecto assistidos por computador.
Desde 1998 – Certificado pelo IEFP como Formador, com CAP.

Resumo da situação actual
Actualmente exerce actividade em regime de freelancer como Técnico Especialista e Formador nas áreas de:

- Desenho Técnico Assistido por Computador (AutoCAD), para Arquitectura, Engenharia e Construção, a 2D, 3D e 4D.
- Modelação Digital de Terrenos, para Topografia (CIVIL 3D).
- Cálculo de Vias de Comunicação Rodoviárias Assistido por Computador (CIVIL 3D).

Outras informações
Disponibilidade total. Flexibilidade de horários. Habituado a viajar pelo país e pelo estrangeiro.
Muito bom nível de inglês falado e escrito. Excelentes capacidades de comunicação.
Não fumador. Dador de sangue. Praticante de desportos de combate.