O projecto dos "100 dias"

01.01.'08 - Apresentação e arranque do projecto ............ SIC
12.05.'08 - Primeiras conclusões aos 80 dias ................... SIC 02.07.'08 - Transportes amigos do ambiente .................. RTP2
18.09.'08 - Conclusões finais aos 130 dias ....................... TVI 22.09.'08 - Dia Europeu da Mobilidade 22.09.2008 ........ RTP1
02.11.'08 - Caia Quem Caia e as bicicletas ....................... TVI 30.12.'08 - Fim do Projecto dos "100 dias" ...................... RCP
01.01.'09 - Fim do projecto dos "100 dias" ...................... SIC 06.01.'09 - 100 dias na Prova Oral .......................... Antena 3


1 Outra reportagem
2 Outra reportagem
3 Outra reportagem
4 Outra reportagem
5 Carmona Rodrigues


Tese de mestrado "Contribuição do modo BICI na gestão da mobilidade urbana" - Descarregar PDF »»

Dia 148 - 13.10.2008

De Santos aos Restauradores
Da cota 05m à cota 16m, 6.7 km

Hoje acabei por trabalhar a maior parte do tempo em casa, contudo depois de almoço acabei por dar um salto à loja de bicicletas, para reparar um cabo de mudanças partido

De minha casa à Without Stress são 1500m planos, fáceis, pelas Ruas da Boavista, de São Paulo e Arsenal. Depois da reparação, acabei por ir tirar umas fotos ao Rossio e aos Restauradoures, para começar a "desenhar" os corredores de bicis que vou propor na minha tese. Fica aqui um cheirinho dos tipos de soluções que vou apresentar:

a. Zona ribeirinha: os 18 km planos da marginal têm um potencial ciclável enorme
b. Zonas partilhadas: bairros inteiros de Lisboa, muitos deles no planalto central, onde não é preciso mexer fisicamente, pois são zonas de pouco tráfego e baixas velocidades. Basta mexer na sinalização vertical e horizontal, e actualizar a legislação.
c. Corredores Bici partilhados com BUS: há semelhança de outros países, a legislação pode e deve contemplar a legalidade das bicicletas circularem nos corredores BUS. Já agora, motos também.
d. Corredores Bici partilhados com vias genéricas: corredor bici sobreposto com metade da via mais à direita. Têm prioridade aqui, naturalmente, as bicicletas.
e. Corredores Bici dedicados em ruas e avenidas: Nas vias mais largas, um pequeno reajuste na largura das vias genéricas pode facilmente permitir "ganhar espaço" para o corredor bici, para além de "acalmar" o tráfego.

(O corredor BUS do Rossio - cerca de 4m- tem largura suficiente para o corredor Bici - 1.2m a 1.5m)

Boas pedaladas.

Paulo Santos
1608 km de bicicleta convencional em Lisboa, desde 01.01.2008

10 comentários:

Francisco Alem-Tejo disse...

Força nesse trabalho, que espero possa vir a ser utilizado pelos gestores da cidade.

Francisco

guerradossantos@gmail.com disse...

Obrigado Francisco. Este trabalho na realidade não é só meu, mas de e para todos aqueles que já andam de bicicleta na cidade de Lisboa e me apoiaram desde o início deste projecto dando ideias valiosíssimas.

Um grande abraço.

Paulo Santos

Catarina disse...

Olá Paulo,

Continuação de bom trabalho e pedaladas pela belíssima cidade.

Só para mostrar as exeriências que se fazem em Copenhaga. Uma das ruas mais movimentadas:
http://www.denmark.dk/en/servicemenu/News/GeneralNews/MainCopenhagenThoroughfareCloses.htm

cerca de 35.000 ciclistas passam nesta estrada diariamente.

Será que algum dia sermos suficientes para ter a Av. da Liberdade exclusiva a Bus, bicicletas, patins em linha, etc...?


Boas pedaladas,
Catarina

guerradossantos@gmail.com disse...

Catarina, obrigado pelo testemunho que mandaste para o meu mail. Boas pedaladas por Copenhaga. É sem dúvida uma cidade exemplar a seguir.

Paulo Santos

Moleiro disse...

Empolgado e apaixonado pelo tempo que passei em Barcelona decidi há cerca de um mês passar a deslocar-me em Lisboa unicamente de bicicleta, onde completo diariamente cerca de 18 kms.

Não fosse a minha determinação, e tou certo que teria desistido logo no primeiro dia.

Assim, o seu trabalho é para mim uma força que me faz pedalar todos os dias contribuindo dessa forma para que um dia possamos alcançar o objectivo pelo qual luta tão activamente.

Muito Obrigado!!

Pedro Moleiro

guerradossantos@gmail.com disse...

Moleiro, envie para o meu mail o seu testemunho. São exemplos como o seu que dão força a este trabalho.

Cumprimentos

guerradossantos@gmail.com

Francisco Alem-Tejo disse...

Paulo,

O teu ultimo comentário faz-me lembrar o texto que te enviei no outro dia (acho que o enviei...), para pores nos relatos de quem já pedala:


Da Almirante Reis à Tapada da Ajuda

Depois de 3 meses a experimentar estes 8 km de percurso bike (para cada lado), aqui fica um testemunho que poderá ajudar outros companheiros de aventuras na cidade.

Então aqui vai:
Uma vez que moro mesmo ao pé do Largo do Intendente, opto por atravessar o Largo do Intendente em vez da mais movimentada e perigosa Almirante Reis. Faço, pois, Largo do Intendente e Travessa do Benformoso. “Aproveito” os semáforos esquina da travessa do Benformoso com a Rua da Palma para conseguir fazer o percurso até ao Martim Moniz praticamente sem trânsito. Depois, praça da Figueira, Rua Augusta, Rua do Comércio, Praça do Município, Rua do Arsenal e Cais do Sodré. A Rua do Arsenal tem um piso particularmente antipático, e o meu principal receio na cidade: os eléctricos! No percurso de ida para o trabalho não há tanto problema como no regresso, em que nesta rua não há mesmo espaço para passar uma bika e um eléctrico… Anyway, são 10 minutos de casa ao Cais do Sodré. No Cais do Sodré passo para a estrada marginal ao rio (Avenida de Brasília), onde sigo até à Rocha Conde de Óbidos, onde me “meto” ainda mais junto ao rio para um passeio tranquilo até à Doca de Alcântara. Passo Alcântara por debaixo de terra, na passagem subterrânea da estação dos comboios. São 20 minutos de casa até aí. Depois, passo bem comportado pelas passadeiras até ao outro lado da rua, onde faço um curto trecho em contra mão (pela Rua da Cozinha Económica, é assim que se chama…), até ao largo das Fontaínhas e depois Calvário. A partir do Calvário é sempre a subir :( Rua José Dias Coelho, Rua dos Lusíadas, Rua da Indústria e Calçada da Tapada (pelo passeio, já que há poucos peões do lado do muro da Tapada). São 30 minutos desde casa, apesar de ainda ter mais 10 minutos mais a subir dentro da Tapada da Ajuda. Mas isso já é problema meu…
O regresso é mais rápido, descidas fantásticas até ao Calvário :), e depois, se tiver tempo, ainda faço um desvio pelo Cais do Gás (com umas esplanadas giras ao pé do Cais do Sodré) para ver o rio. Faço o caminho inverso com uma pequena nuançe que considero interessante para quem quer ir para os lados da Almirante Reis: da Praça da Figueira sigo pela Rua João das Regras em direcção ao Poço do Borratém, depois passo no Martim Moniz pelo passeio por detrás do Centro Comercial e vou entrar direitinho na Rua do Benformoso, um trecho que cheira a multiculturalismo mas sem grandes problemas de trânsito. Vou desembocar novamente no Largo do Intendente (nunca tive problemas em termos de segurança, mesmo havendo personagens estranhos na parte final do Benformoso e Largo do Intendente) e depois… casa!

Francisco

413 km de bicla (“a poderosa”) na cidade

guerradossantos@gmail.com disse...

Recebi sim, Francisco. Foi mesmo por falta de tempo que ainda não o coloquei na secção relatos. Mais uma vez obrigado.

Obs: 413 km em 3 meses é uma boa média :) e um depósito de gasolina que se poupa.

Paulo Santos

pedro disse...

Paulo,

A Câmara de Lisboa tem neste momento aberto o período para propostas para o orçamento participativo, para o qual tem um orçamento de 5 milhões de euros reservado.

Qualquer cidadão pode fazer propostas (até 24 de Outubro - já não falta muito), propostas essas que, se aceites, serão votadas pelos cidadãos em Novembro.
É tudo feito on-line em:
http://www.cm-lisboa.pt/op

Não haveria tempo para uma proposta concreta no sentido do esboço que já tens para a tua tese? (Ou no sentido do estudo das ciclovias do ISA, de 2001)?
Tenho a certeza que, se passasse, conseguiríamos arranjar muitos votantes para essa proposta.

João Pedro Barreto

ps - Parabéns pela iniciativa dos 100 dias.

Francisco Alem-Tejo disse...

João Pedro,

Obrigado pelo teu alerta. É uma boa ideia!

Francisco

Relatos de quem já pedala pela cidade de Lisboa .............

São cada vez mais aqueles que usam a bicicleta como meio de transporte em Lisboa ( 29 testemunhos) ....................................... ver mais »

Engenharia Civil - Vias de Comunicação e Transportes

Intermodalidade de Transportes na cidade de Lisboa
Quanto lhe custa TER e USAR o seu automóvel ?
Os "100 dias" nos media

FAQs, Links, e informações de interesse para o ciclista ..........................

O código da estrada e os velocípedes ....................................
Rede de zonas cicláveis em Lisboa .....................................
Estacionamento para bicicletas, na cidade de Lisboa .............. brevemente
Rede de lojas e oficinas de bicicletas em Lisboa ............ brevemente
Transporte de bicicletas no metropolitano de Lisboa ...............
Transporte de bicicletas nos comboios da CP .....................
Transporte de bicicletas nos comboios da Fertagus ................
Transporte de bicicletas nos barcos da Transtejo e Soflusa ............
Custos comparativos com o uso do automóvel ............................ brevemente
Revistas da especialidade ......................................................... brevemente
Associações e grupos de entusiastas ........................................ brevemente
Eventos ................................................................................... brevemente

C.V. resumido


Currículo Vitae
Paulo Manuel Guerra dos Santos, Eng.º Civil.
Contacto: guerradossantos@gmail.com

Dados Pessoais
Nascido em 1973

Experiência Profissional
1995 a 2007 – Colaborador em diversas empresas de Projecto de Estradas e Consultoria (Proplano, Triede, Tecnofisil, Consulógica), onde desenvolveu competências na área do desenho e projecto de estradas, em particular com recurso às aplicações informáticas: AutoCAD, SMIGS e CIVIL 3D.

Experiência Pedagógica
1994 a 2007 – Mais de 6000h de formação ministradas em diversas escolas, centros de formação e empresas do continente e ilhas, nas áreas de Robótica Industrial, CAD, Topografia e Projecto de Estradas Assistidos por Computador.

Estágios Profissionais e Projectos Internacionais
2007 – Participação em projecto académico europeu na área da engenharia hidráulica, na Alemanha.
2007 – Estágio na Finnish Road Administration (Instituto de Estradas Finlandês), na cidade de Turku, na Finlândia.
2006 – Participação em projecto académico europeu na área da engenharia hidráulica, na Holanda.
1993/ 94 – Estágios na área da Robótica Industrial, em empresa tecnológica do sector metalomecânico, em Portugal.

Formação Académica
2007 – A preparar a tese de mestrado sob o tema “100 dias a ciclar na cidade de Lisboa”, com início previsto para 01 de Janeiro de 2008.
2007 – Conclusão da Licenciatura bi-etápica em Engenharia Civil, Ramo de Vias de Comunicação Rodoviárias, ISEL, com média de 15 valores.
1999 – Conclusão do Bacharelato em Engenharia Civil, ISEL, com média de 14 valores.

Formação Profissional em Novas Tecnologias de Informação
1995 a 2006 – Diversas acções de formação profissional nas áreas de Robótica Industrial, CAD, SIG, Topografia, Engenharia de Estradas, Design Gráfico e Criação de páginas de Internet.
1992 a 1994 – Curso de Robótica Industrial, CENFIM, com 3000h.

Formação Pedagógica
1994 a 2003 – Diversas acções de Formação Pedagógica de Formadores e Meios Audiovisuais.

Certificações Pedagógicas
Desde 2000 – Certificado pela AutoDESK, como formador autorizado em tecnologias de desenho e projecto assistidos por computador.
Desde 1998 – Certificado pelo IEFP como Formador, com CAP.

Resumo da situação actual
Actualmente exerce actividade em regime de freelancer como Técnico Especialista e Formador nas áreas de:

- Desenho Técnico Assistido por Computador (AutoCAD), para Arquitectura, Engenharia e Construção, a 2D, 3D e 4D.
- Modelação Digital de Terrenos, para Topografia (CIVIL 3D).
- Cálculo de Vias de Comunicação Rodoviárias Assistido por Computador (CIVIL 3D).

Outras informações
Disponibilidade total. Flexibilidade de horários. Habituado a viajar pelo país e pelo estrangeiro.
Muito bom nível de inglês falado e escrito. Excelentes capacidades de comunicação.
Não fumador. Dador de sangue. Praticante de desportos de combate.